segunda-feira, 30 de março de 2009

o Acordo - 3

...Haviamos combinado que entre nós, haveria uma "amizade colorida". Ficariamos os três juntos, se eu quisesse e/ou cada um num dia que fosse determinado pela disponibilidade. Não teriamos ciúminhos. Cuidariamos uns dos outros e não nos deixariamos APAIXONAR para que o que sentiamos não nos acorrentasse uns aos outros Seriamos livres pra ficar com quem quisessemos se assim desejassemos... Entre nós falaria mais alto o desejo e o tesão e não poderiamos quebrar esse acordo jamais, JAMAIS!... (?!) Esse pensamento me tirou do ar por alguns segundos e o 'D' percebeu que algo havia acontecido:"-O que foi, meu amor?! / -Nada!!"... Olhei para o 'D' que nos observava e sorri. Abracei carinhosamente o Oscar e ele, num sussurro quente ao pé do ouvido, me disse um EU TE AMO que me arrepiou por inteira e começamos a nos beijar novamente... Olhando aquela cena, o 'D' se aproximou e tocou meus cabelos... senti seu pau pulsar em meu ombro e o segurei com uma das mãos... estava tão duro que não me contive... deixei o beijo do Oscar e comecei a lamber sua cabeça reluzente de exitação... lambi toda a extensão do pênis... cabeça, corpo, saco... chupei a virilha e voltei, da base até a cabeçachupando e lambendo... O Oscar me ajeitou em seu colo e, enquanto eu mamava no pau do 'D', ele me acariciava os seios e me beijava as costas... Senti o mamilo doer de tão duro quando ele o tocou... ele molhou a ponta dos dedos com saliva e começou a esfregar em cada um... senti a vagina inchar, pulsar... Conforme eu ia chupando o 'D', ia abrindo as pernas e me esfregando no pau do Oscar... Estava sentada de um modo que podia sentir o pênis dele do meu grêlo até o meu cuzinho que piscava sem parar... ''-Eu senti isso!''... disse ele quando a sentiu pulsar e molhar seu pau... "-Hummm... rebola assim não..." Me disse o Oscar enquanto passava as unhas em minhas coxas e segurava meu quadril... ''-Para, amor... hummm... para..."... Soltei o pau do 'D' e perguntei discaradamente: "Você quer que eu pare?! / -Espera um pouco... / VOCÊ QUER MESMO QUE EU PARE?!"... abocanhei o pau do 'D' e afastei o quadril... a resposta foi uma mordida na minha nuca e a cabeça do pau entrando com força na minha buceta... quase machuquei o 'D'... gemi e suguei seu pau com tanta força que ele tentou tirar mas não deixei. Peguei as mãos do 'D' e o fiz segurar meus cabelos, arqueei o corpo um pouco pra frente enquanto o Oscar deslizou na poltrona e se ageitou melhor... comecei a cavalgar o Oscar deliciosamente sem presa... da mesma maneira que sugava o 'D'... Como a poltrona era baixa a ponta dos pés encostava no chão e facilitavam o meu galope... A medida que ia subindo e descendo fazia com que o 'D' chegasse mais fundo na minha garganta e fazendo assim, o mesmo que havia feito com o Oscar... Eles gemiam profundo... O 'D' segurava meus cabelos com uma das mãos e com a outra erguia meu queixo pra que eu olhasse para ele... Quando nos olhavamos... ele gemia mais forte e jogava a cabeça para trás... eu, alternava a chupada, ora forte, ora suave e lânguida... expunha a língua de boca aberta... olhava nos olhos, afastava a boca e engolia de um único golpe... O Oscar, dava estocadas cada vez mais profundas e fortes... numa dessas soltei o pau do 'D' e sentei pedindo pra ele ficar quieto... "-Espera, só um tiquinho... espera!" Eu estava quase gozando mas, não queria... O 'D', percebendo o que eu fiz, me abraçou e me levantou do colo do Oscar... Ficou me abraçando e beijando meu rosto até que eu me acalmasse... ''-Oscar, levanta... deixa eu sentar com ela..."... ele meio que deitou na poltrona e me aconchegou em seu colo me deixando com os pés apoiados na poltrona... segurou meu rosto, me olhou fundo nos olhos e ordemou: SENTA NO MEU PAU! Obedeci mas, sentei de uma vez... arranquei um gemido de dor dele e ele me segurou com força... bombou forte e enfiou o dedo no meu cuzinho... gemi gostoso... levei a mão para trás tentando alcançar o Oscar... o puxei pelo membro e disse: ENFIA! METE GOSTOSO!!! E assim ele o fez... Encostou a cabeça no meu cu e foi me invadindo... Gozei num grito e abafei mordendo a mão... O 'D' saiu de dentro de mim e ficou me segurando enquanto o Oscar dizia: ISSO... MASTIGA MEU PAU... GOSTOSA... Não sei como mas ele entrou mais fundo... senti seu saco bater na minha buceta enquanto ele socava ainda mais... estava tão molhada que ele escorregava fácil... ainda nessa posição, sem sair de mim, me levantou do colo do 'D' e sentou no sofá... abriu minhas pernas e começou a massagear meu grêlo... desceu os dedos e colocou dois deles na minha buceta... "NOSSA... TÁ MELADA...!" Levou a mão a minha boca me fazendo provar o gosto do sexo... segurou meu rosto e me beijou fundo...


"-Quer ser minha putinha?"
"-Quero...
"-QUER SER MINHA PUTINHA?!"
"-QUERO, EU QUERO!!..."


E meteu mais forte no meu cuzinho... abriu minha buceta com as mãos e disse:''-VEM, CARA... METE TUDO!..." O pau do 'D' estava tão duro e nós tão exitados que quando ele me penetrou, em pouco menos de um minuto estavamos gozando, os três... Agarrados, suados, entorpecidos... A respiração acelerada, os corpos quentes exalando luxúria... Tentei abrir os olhos em vão... cravei as unhas no sofá e APAGUEI...

sexta-feira, 20 de março de 2009

o Acordo - 2

O DIA TODO!!!...Quando ouvi isso, senti uma fraquesa nas pernas e um calafrio na espinha... 'O DIA TODO!'... Fechei os olhos e recostei no sofá... 'O DI-A TO-DO!!!'... Agindo involuntáriamente toquei meus lábios e, num suspiro profundo, gemi alto quando minhas coxas comprimiram meu sexo... Obri os olhos e, numa atitude de puro tesão, me livrei das roupas e fui me tocando, me abrindo... Os dois me olhavam com fogo e desejo... Vieram em minha direção se livrando das camisas e das calças no mesmo desespero em que eu os queria... Ânsia, desejo, paixão... Queria devorar e sugar os dois ao mesmo tempo... Vieram e me tocaram com mãos alucinadas, dedos de uma agilidade e presão incomparáveis... me invadiram... boca, vagina... ânus... me lambiam, mordiscavam... sorviam... não sei quantas vezes gozei naquelas línguas, bocas e dedos... não sei quantas vezes gritei, chorei, gemi alto... cerrei os dentes... me senti devorada por lobos selvagens, famintos de carne e sexo... Sentia seus membros rígidos me açoitando as pernas e as coxas... quando finalmente consegui trazer um deles até minha boca, estava melado, lambuzado de tesão... Uma gota transparente e cristalina escorria lubrificando toda a glânde... Abri a boca ao máximo e de uma única vez, o coloquei na garganta... senti o 'toque na nuca' abri os olhos e vi o Oscar...corpo em rísti, cabeça jogada para trás... respiração presa... apertei os lábios no que podia e, sem tirar os olhos do Oscar, fui soltando e sugando seu pau bem devagar... Quando senti a glânde nos lábios, volte a sugar e engoli seu pau novamente...Nesse momento ouvi o 'D' balbuciar um "NÃO ACREDITO!!" e, olhando para o Oscar, senti seu pau pulsar na garganta como que se houvesse dobrado de tamanho... ele abriu os braços, fechou as mãos e estancou o corpo... levou as mãos até o rosto e urrou... senti um golpe no fundo da garganta... segurei suas pernas e o puxei pra mais perto... senti seu corpo tremer e ele por um segundo desequilibou... "-AHHH... CARALHO, CARAAALHO!!!"... Seu grito de prazer me soou como um triunfo... respirei fundo e abafei a tose... quase engasguei pela quantidade de gozo... O 'D', sentado no chão, olhava para mim com orgulho e espanto...

"-Você percebeu o que fez?!"
''-Eu?!... O que eu fiz?!?''... (perguntei meio que assustada)
''-Você acabou com ele!?'' (sorriu e riu...)

Olhamos pro Oscar e ele estava sentado, pernas abertas, respiração profunda e um fio de gozo ainda saindo do pênis... Esfregava as mãos no rosto e levava até a cabeça mergulhando os dedos por entre os cabelos... Olhou pra mim e estendeu os braços me chamando pro seu colo... Me levantei e fui até ele. Sentei e me aconcheguei... ele me abraçou forte, beijou minha testa, meus olhos, minha boca... respirou fundo e disse: ''-Essa foi foda!...'' Demos, os três, uma gargalhado gostosa... ele me abraçou com mais força e respirou mais profundamente... olhando nos olhos, me beijou mais uma vez. Ficamos assim por algum tempo. Tempo suficiente para me lembrar do acordo que fizemos antes de sair do motel...

O Acordo - 1

Os dias passavam e eu não parava de pensar naquele encontro à três... Foi delicioso! Em alguns momentos, podia fechar os olhos e os sentidos se aguçavam. Lembrava dos toques, dos beijos, do gosto de cada um, das palavras ditas e do cheiro de sexo que impregnou meu corpo e aquele quarto de motel... Eu conseguia sentir, na lembrança, o pulsar dos dois membros dentro de mim... No banho, quando o tesão tomava conta, me masturbava como uma louca e gozava cerrando os dentes tentando abafar os gemidos. Quando nos falavamos por telefone, ficava explícito que eu havia desabrochado completamente e queria mais. Numa quinta-feira, pela manhã, 'D' me liga:

-Oi, menina!?

-Oi 'D'!! Estava pensando em você...(risos)

-Tenho certeza que sim... Tenho um recado do Oscar!
-Recado?! Qual??
-Neste sábado ele vai até o sítio arrumar arrumar algumas coisas para as festas do fim de ano. Você quer ir com a gente pra ajudar e... aproveitar!?

-Humm aproveitar, é!?

-É... vamos ficar sozinhos o sábado inteiro!

Dei um suspiro profundo tentando controlar a euforia que tomou conta de mim e, ao mesmo tempo o 'bufar' por lembrar que teria que ajudar minha mãe naquele fim de semana...

-Poxa 'D'... não vai dar... eu quero muito mas, fiquei de ajudar minha mãe com algumas coisas e, mesmo que ela não precisasse mais não iria deixar eu ir apenas com vocês dois ao sítio. Você sabe...

-Você se esqueceu de que o que eu quero eu consigo? Eu não perguntei se ela deixaria, perguntei se você quer ir?!... Você quer?

-Quero!(respondi com uma segurança que nem sei de onde saiu)

-Tudo bem, então. Prepara algumas coisinhas...

Ele me disse que deveria arrumar a mochila como se fosse trabalhar o dia inteiro. Arrumei e coloquei na parte de cima do guarda-roupa meio que escondidinha. Na sexta-feira, já no fim da tarde, ouvi o telefone tocar e já ia atender quando minha mãe o tirou do gancho... Continuei de uma maneira normal e fui pegar água... Ouvi ela dizendo que tudo bem, que iria junto pra poder ajudar, que não seria trabalho algum... blá, blá, blá... Senti uma tristeza ouvindo aquilo pois já sabia que se tratava do sítio.

-Ai, esse povo arruma cada idéia...

-Que foi mãe? (fazendo cara de tonta)

-O pai da Rô... chamou a gente pra passar o Natal com eles e pediu pra eu falar com teu pai. Se a gente não for eles vão ficar chateados. Agora pode uma coisa dessas?

-Mas o que tem de mais, mãe? O pessoal se conhece a tanto tempo...

-Não é isso. Ele perguntou se eu podia deixar você e seu irmão irem lá pro sítio ajudar. Eu sei que o teu irmão não vai porque ficou de ir com a namorada pra Angra... Ele não vai largar ela sozinha lá e ir pro sítio... Eu me ofereci pra ajudar e esqueci que tinha que fazer as coisas aqui também e, teu pai não vai gostar se eu deixar você ir sozinha...

-Ah, mãe... deixa eu ir?!(fazendo denguinho) A Rô ficou de me mostrar o riacho que fica lá perto e, só assim eu vejo os bezerros que nasceram . Deixa, mãe?!

-Não sei... vou ver com seu pai... ele é que sabe...

Pronto... lá se foi meu dia com os meninos... sabia que não iria a lugar nenhum naquele sábado...
Na manhã seguinte, quando acordei, estava triste e nem queria descer pra tomar café... Fiquei no quarto olhando pro teto e imaginando tudo o que poderia ter acontecido naquele dia... Quase chorei de raiva mas, não podia demonstrar tanta tristeza assim... Sai do quarto com a cara amassada e esfregando os olhos, dei um encontrão com meu pai...

-Ué?! você não vai pro sítio não?
-Quê?? (perguntei sem entender nada)

-O sítio garota!! O Heitor (pai do 'D') ligou. Ele está vindo te buscar!

-Mas minha mãe disse que eu não ia?!?

-Tua mãe vai pra Angra com teu irmão e eu tenho um extra pra fazer! Quer ficar sozinha em casa?

-Não!?

-Então se adianta que ele deve estar chegando...


Nunca tomei um banho tão rápido na minha vida. Até meu pai se assustou quando me viu de mochila pronta e banho tomado... Foi meu recorde!...rsrs. Buzina tocando... me despedi e entrei no carro...

-Bom dia seu Heitor!?(eu ainda sem entender o porque dele estar ali)

-Bom dia! (falou comigo ao mesmo tempo que acenava para os meus pais)

-O que é que vocês estão aprontando, hein?(pergunta seu Heitor com cara de safado e um sorriso no canto da boca)

-Vocês?! Só me chamaram pra ajudar lá no sítio, seu Heitor...(queria saber com que cara eu estava pois sei que não era de calma)

-Eu sei... (disse isso e sorriu)

Estavam quase todos na varanda da casaquando chegamos. O Oscar me recebeu com um beijo no rosto, pegou minha mochila e colocou dentro do outro carro. O 'D' estava terminando de colocar umas caixas com enfeites no porta-malas e a Rô e sua mãe vinham na minha direção com alguns potes. Uma recomendação aqui, um pote com alguma coisa pra comer ali... Nos despedimos e saimos... No caminho, Oscar dirigia enquanto o 'D' colocava uma fita no rádio do carro... Eu, com a língua coçando, querendo saber o que o 'D' havia dito ao pai pra que ele fosse me buscar? Perguntei e ele foi me contando tudo o que havia elaborado pra eu estar ali... Um golpe de mestre e uma lábia que poucos tem... Chegamos ao sítio e fomos logo descarregando tudo o que havia no carro... Que lugar lindo. A estrada que dava acesso ao sítio era de chão batido e, como havia chovido por aqueles dias estava elameada mas não dificultava a passagem... o cheirinho de terra e plantas molhadas era tão gostoso que dava vontade de abrir os braços e respirar profundamente tudo aquilo de bom que o lugar proporcionava. Tão bem terminamos, pudemos nos instalar melhor e vi que o Oscar havia trazido bastante coisas e que a arrumação da casa estava em ordem!?...
-Ué gente, que arrumação vamos fazer? Aqui está tudo arrumado?
-Meu amor,(disse o Oscar) eu vim no meio da semana com uns amigos que me deviam uns favores. Como eu teria que vir arrumar, eles me deram essa força e já está tudo protinho pra semana que vem!

-Tudo prontinho!(falou o 'D') Nós só temos é que aproveitar que estaremos sozinhos... o dia todo, entendeu?... O DIA TODO!!!

segunda-feira, 16 de março de 2009

1 + 1 = 3! - continuação -


No banheiro, o "D" me pegou no colo e entrou comigo na banheira... o Oscar se juntou a nós e fiquei assim, fazendo carinho, massageando e beijando cada um deles até que chegou minha vez... Me ensaboaram e me banharam gostosamente... O Oscar saiu da banheira, pegou um roupão enquanto o "D" me levantava e saia da banheira comigo, me secaram como se eu fosse um bebezinho... Assim eles cuidaram de mim e voltamos para a cama... Ficamos os três sentados, eu no meio recebendo beijos e lambidinhas nos ombros enquanto eles alternavam as mãos massagenando meu clitóris ou apertando o bico do meu seio... Fui sentindo o corpo se entorpecer com todo aquele tesão e me entreguei novamente a todas as sensações que aqueles dois me proporcionavam... O "D" parecia querer me levar ao céu... suas carícias ficavam mais profundas assim como as coisas que me dizia, Oscar por sua vez, parecia ler minha mente... beijava, mordia e me chupava com a intensidade certa, da meneira que eu gosto quase me fazendo gozar em sua boca... Derrepente, o "D" se vira encostando na cabeceira da cama e me puxando pra si, me coloca de quatro e começa a lamber meu cuzinho... O Oscar, de frente pra mim, levantou meus cabelos e lentamente foi colocando seu pau em minha boca. A cada linguada que o "D" me dava, eu chupava Oscar com mais força... Ficamos nessa posição por um longo tempo aproveitando ao máximo o prazer que sentiamos... Oscar levantou meu rosto e me beijou a boca com volúpia e prazer, me pegou pelas pernas e me sentou no colo do "D"... Como meu cuzinho j estava bastante lubrificado, ele só precisou apontar e foi me penetrando deliciosamente... Oscar me observava subir e descer naquele pau e se aproximou encaixando seu corpo no meu... me olhando nos olhos, aproximou seu pau da minha boceta e comecou a pincelá-la me arrancando um gemido profundo... o "D" parou... escorregou um pouco mais o corpo e disse:"Você quer?!?"...eu olhei pro Oscar e sem nenhum pudor, o puxei com vontade pelos cabelos sentindo todo seu membro entrando fundo, tocando o fundo do meu corpo... INDESCRITÍVEL! Sentir os dois dentro de mim me fez gozar várias vezes... senti por várias vezes uma vertigem como se fosse desmaiar... faltou fôlego, força, palavras... derrepente o gozo quase simultâneo deles dentro de mim... ninguém gemia, urravamos, cravavamos as unhas, serravamos os dentes... senti o jato forte do gozo de cada um... o corpo tremia, latejava, eram espasmos que pareciam nunca acabar... quando nos separamos, parecia que meu corpo havia perdido a estrutura... tombei como que forçada... era como se tivesse vivido sem pressão e como um astronauta deve se sentir quando chega a terra, assim eu me senti... assim eu fiquei e não tinha forças nem para ficar de olhos abertos... a respiração do Oscar e do "D" parecia de quem havia saido do fundo do mar e chegado a superficie tentando inspirar todo o ar possível... Ficamos largados... perdemos a noção do tempo e dormimos... Quando acordei, estava quase amanhecendo... olhei pro lado e vi o "D"... seu semblante parecia com o de um anjo... dormia um sono tão gostoso que não quis acordá-lo... Do outro lado estava Oscar, suas pernas sobre as minha, seus cabelos emaranhados aos meus e com a mesma expressão no rosto... Não poderia acordá-los então, fiquei assim, com eles em meus braços, feliz e sem me preocupar com o mundo correndo lá fora, fechei meus olhos, abracei meus amores e voltei a dormir amparada por dois deuses que me proporcionaram um dos melhores prazeres que já provei...

1 + 1 = 3 !

Já haviam se passado algums dias depois do último encontro com o "D" e estava com tantas saudades que me masturbava quase todos os dias. Ele foi com seu grupamento para Manáus e teria que ficar sem vê-lo durante um mês. Faltando uma semana para que ele voltasse, as meninas me chamaram para organizar uma festa de boas vindas e comemorar o aniversário dele. Nos reunimos na casa da tia do "D" para preparar tudo e, foi quando conheci seu primo, Oscar... Ele era mais velho que o "D", tinha 23 anos e um corpo lindo. O tipo de homem que é o sonho das solteiras e o desejo das casadas... 1, 80 de pura morenice e cabelos negros e lisos até os ombros. Um lindo sorriso e uma conversa agradável... Impossível não olhar e desejar. As meninas só faltavam pular no pescoço dele... Resolvemos tudo sobre a festa mas, algo me deixou com uma pulga atrás da orelha, ele e a Rê, se falavam e olhavam pra mim de um jeito que cheguei a ficar encabulada...-"O que esses dois estão tramando?" Mesmo assim, não perguntei nada a eles. Fui embora com meus pensamentos e minhas dúvidas sobre aqueles dois. Na sexta-feira sem esperar, toca o telefone:

-"Oi meu amor!?!"

-"D?!... é você? Onde você está?"..

-"Em casa, acabei de chagar... tô com saudade sabia?"...

-" Eu também!!"...

-"Quero te pedir uma coisa, tá?"...

-"Tá, já sei, já preparou outra surpresa, né?"...-

-"Rsrsrs... só depende de você! Quero fazer uma coisa muito gostosa... vai ser um presente especial pra mim..."

Tentei pensar e logo estava dizendo sim! Tentei me acalmar enquanto ele falava mais já estava louca pra chegar a hora da festa. No dia seguinte, preparei o que ele havia me pedido, eu deveria ir com um vestido curto de, preferência bem leve com os cabelos soltos e uma sandália de salto... Tudo certo e eu tentando imaginar o que fariamos desta vez. Quando cheguei a festa, a música já estava alta e todos dançando... Eu deveria chegar bem tarde, lá pelas 22:30.( e isso era tarde já que a festa começou as 14:hs) Cheguei na hora das baladas, músicas lentinhas pra dançar agarradinho... Entrei, falei com alguns amigos e sem esperar o Oscar me pegou pela cintura e saiu dançando comigo causando um buxixo nas meninas. Olhei em volta procurando o "D" quando ele, Oscar, começou a me contar o que o "D" havia lhe dito sobre mim, e que ele havia ficado curioso e se poderia participar de uma farrinha entre eu e o "D"... Fiquei de boca aberta e tentava me manter calma quando o "D", percebendo que seu primo já havia me contado uma parte da surpersa me chamou pra dançar terminando de me contar a surpresa... Iriamos transar e o Oscar ficaria olhando... Fantasias à parte, topei mesmo achando extranho. Quando a música acabou, o "D" me levou pra dentro de casa, lá estava o Oscar com as chaves do carro na mão e com um sorriso enigmático nos lábios...-"O que será que vai acontecer essa noite???"... pensava eu sem meus botões quando Oscar veio em minha direção e me deu um delicioso beijo... pegou minha mão e levou até o meio de suas pernas onde pude sentir o quanto aquilo tudo seria bom!!! O "D" nos interpelou com um 'vem vindo aluguém' e nos afastamos... ele me olhou nos olhos e disse...-"Você quer?"... ofegante e muito exitada, olhei pro dois e, segurando o membro de cada um sobre as calças, respondi quase sem voz que sim. Eles se entre olharam, sorriram e segurando em minhas mãos, saimos os três discaradamente da festa, entramos no carro e fomos, preparar o presente do "D". Chegamos ao motel e, como eu ainda era menor de idade, tivemos que subornar o recepcionista o que levou algum tempo e acabou esfriando os ânimos. Subimos e chegamos no quarto um pouco tensos, percebendo que eu estava nervosa, o "D" se aproximou de e me deu um forte abraço. Nesse momento perdi o controle e começei a chorar... chorava compulsivamente, Oscar chegou perto e me deu um beijo no rosto quase paternal, me abraçou e ficamos alguns segundos assim, eles abraçados a mim e eu sem parar de chorar. Oscar começou a me fazer carinho dizendo que tudo havia passado e que nada aconteceria... passava seus dedos sobre meus olhos tentando conter as lágrimas enquanto o "D" acariciava meus cabelos.Uma coisa diferente estava acontecendo, enquanto eles ma acalmavam, começei a sentir ondas de calor me percorrerem o corpo e meus soluços se trânsformarem em suspiros, dada vez mais profundos até que soltei um gemido... cada um deles já estava exitado, acreditem, pelo meu choro... o "D" de um lado, me apertava a bunda e beijava meu pescoço, Oscar, já havia descido a alça do vestido e mamava carinhosamente meu seio. Já estava toda molhada quando senti seus dedos me penetrarem me fazendo gemer mais profundamente. Ele se ajoelhou, afastou minhas pernas e começou a me chupar. Apioada ao "D", desci a mão até sua calça abrindo o ziper e liberando seu pau. Enquanto eu o masturbava ele sugava o bico do meu seio. Não pensei que pudesse acontecer isso, o presente mudou totalmente o conteúdo! Eu é que estava sendo presentiada e, já estava quase gozando quando Oscar se levantou e me pegou em seu colo! Me levou até a cama e ficaram assim, os dois, me olhando durante um tempo. Eles se entre olharam e sorrindo começaram a me despir. Cada um beijava e mordiscava meus pés enquanto tiravam as sandális... Oscar subia por uma das pernas e ia me lambendo e me acariciando, o "D" chegou a minha virilha e com a boca, retirou minha calcinha enquanto Oscar subia meu vestido... Estava totalmente arrepiada, não conseguia pronunciar nenhuma palavra tamanho era o tesão. Depois de me deixarem despida, eles se levantaram e o "D" tirando a roupa, pediu que o Oscar preparace a banheira. Quando ele saiu, o"D" veio por cima de mim me beijando inteiramente, olhou nos meus olhos e foi me penetrando calmamente, começou um vai e vem lento e profundo... Enlacei minhas pernas em sua cintura e ficamos assim, como diz MEU AMOR, num papai e mamãe delicioso, virei a cabeça e lá estava ele, o Oscar... Nu e se masturbando enquanto nos observava. Aquilo me fez apertar o "D" com as pernas e rebolar acelerando o ritmo da penetração...-"Vem cara, se não eu gozo!" disse o "D" para o primo que se aproximou da cama e me beijou com o "D" ainda dentro de mim... -"Vem cá... assim" me disse ele sentando na cama e me puxando por cima. Mesmo bem molhada, tive receio pelo tamanho do seu membro bem maior que o do "D", percebendo isso, ele levou sua mão até minha boca e comecei a lamber cada um dos seus dedos. Já bem molhados, ele lubrificou seu mastro, pincelou minha buceta começou a penetrar... Senti cada centimetro me invadindo, me rasgando. Segurei-o num abraço forte e gozei mesmo antes de tê-lo totalmente dentro de mim. Oscar se manteve quieto até que pudesse continuar... Me beijava o rosto e acariciava minhas costas tentando me acalmar... O "D", por sua vez, ficou de pé na cama e segurando meus cabelos, puxou meu rosto para seu pau, abri a boca e comecei a chupar como se fosse a ultima vez... Oscar me sentiu relaxada e me segurando a bunda pediu que eu o cavalgasse. Devagar, comecei a subir e descer lentamente... ele enclinou a cabeça e sugou meu seio, desceu uma das mãos e gemeu profundo quando sentiu meu cuzinho molhado e piscando... Não se conteve e começo a me penetrar o cuzinho com o dedo... Isso me fez chupar o "D" com mais força e logo ele gozou... Bebi tudo de uma só vez e senti que Oscar também iria gozar... gozamos juntos, ele urrava e me puxava como se quisesse entrar todo dentro de mim... seu pau latejava forte e me senti preenchida por seu leite abundante e quente, ele me abraçou e ficamos assim enlaçados até que o "D" nos chamou para um banho...

Continuação

Nem bem o fim de semana chegou ao fim e já estava louca pra ver o 'D' novamente pois ele havia me dito que no próximo encontro iria me fazer uma surpresa. Na sexta, de tarde, ele me ligou dizendo que ficaria sozinho no fim de semana pois a irmã e os pais iriam na casa da avó... nem dormi direito tamanha era a ânsiedade. Cheguei a casa dele por volta de duas da tarde, toquei a campainha e ele veio me receber com um sorriso malicioso nos lábios me olhando de uma forma que parecia estar me radiográfando. Entramos e depois de um longo beijo pude perceber que ele tinha preparado a casa para um encontro romântico. Velas, frutas, a mesa enfeitada de uma maneira que custei a acreditar que havia sido ele que tinha preparado tudo! Depois de alguns minutos admirando a decoração especial ele me mostrou uma caixinha e disse que era um presente que deveria ser usado assim que eu abrisse a caixa. Só assim poderia começar a surpresa. Abri e me deparei com uma venda negra..."Escolhi especialmente pra você!" de ínicio, relutei em colocar mais ele disse que sem ela, nada feito... dei um suspiro tipo "já que estou aqui" e pedi que ele a colocasse em mim. Assim que me pôs a venda, me guiou pela sala até chegarmos ao seu quarto. Lá, pediu que tirasse roupa e me ajudou sentar numa cadeira e percebi que estava perto da cômoda pois o ouvi abrindo uma das gavetas..."D, o que você tá fazendo?" ele não respondeu, apenas colocou seu dedo sobre meus lábios insitando que deveria permanecer quieta. Senti algo macio envolvendo meu pulso e, enquanto era beijada, fui amarrada a cadeira. Meu coração disparou, senti vontade de sair dali mas a mente pensava nas palavras e minha boca não conseguia pronunciar nada. Suas mãos afastaram minhas pernas... atou meus tornozelos e se afastou... Fiquei ali sem saber o que iria me acontecer quando senti algo gelado em meus lábios... Ele começou a percorrer meu corpo com uma pedrinha de gelo... não dá pra descrever o que sentia, o do gelo no corpo quente é de um prazer indescritível... tem que sentir. Eu suspirava mais forte a medida que ele percorria meu corpo com o gelo, começou a beijar minha pele onde passava a pedrinha e o calor da sua boca me proporcionava volúpia, desejo. Pingou uma gota no bico do meu seio e começou a sugá-lo... Eu gemia... me contorcia. A cada mamada minha vagina se contraia me fazendo quase gozar. Quando percebeu o que estava acontecendo, parou e me deixou assim, por algum tempo... Ofegante, gemendo, me contorcendo com o corpo pedindo pra gozar... Estava quase me acalmando quando senti uma gota quente sobre meus pés... Primeiro o susto! Depois, uma onda de prazer invadia meu corpo me deixando mais exitada que a primeira vez... Ele pingava, beijava e soprava a medida que ia subindo... Segurou minha coxa e passou os dentes em meu joelho... eu não conseguia conter os gemidos que ficavam mais fortes e ele se deliciava pois eu já podia ouvir sua respiração mais pesada, profunda... Um pingo de vela caiu sobre meu seio... Não aguentei, pedi que ele me beijasse e fui atendida com seu pau em minha boca... eu não sabia bem o que fazer, era a primeira vez que tinha um pau entrando e saindo da minha boca, o instinto não falhou e passei a sugar aquele pau com todo o tesão que sentia... ele gemia alto, me falava as coisas mais absurdas enquanto eu o chupava e, quando senti que seu pau ficou mais entumecido, ele o tirou da minha boca..."Não, assim não... vem aqui, vem pra mim..." Ele me desamarrou e quando fui tirar a venda ele me impediu e atou novamente meus pulsos, me pegou no colo e me pôs de bruços sobre a cama... Começou a morder minha bunda e logo meu cuzinho estava sendo lambido e sugado... Ele colocou um dedo e começou um vai e vem gostoso me fazendo implorar pra ser penetrada por aquele pau até o fim e ele simplesmente colocou mais um dedo... Quando sentiu que eu estava quase gozando, me virou e passou a chupar meu grelo com força me deixando mais molhada do que já estava. Ele se posicionou e começou a pincelar seu pau na entrada da minha buceta...-"D, não...não" e ele me calou com um beijo me penetrando o corpo e a alma... Não gemiamos mais, urravamos num prazer quase louco, eu estava sentindo pela primeira vez o sexo completo, ele se mexia dentro de mim me deixando louca, eu sentia o corpo queimando, minha buceta parecia que ia explodir e eu, o abraçando com as pernas querendo que tudo aquilo durasse para sempre... Gozamos práticamente juntos, a cada contração eu sentia choques no corpo, sentia o seu pau latejando e pulsando dentro de mim e um prazer misturado a sensção de parecia que a alma deixaria meu corpo no próximo gemido, uma loucura... Ele se deixou cair sobre o meu corpo que eu sentia "quase morto" e, assim, permanecemos... Depois de algum tempo, ele soltou minhas mãos, me tirou a venda e me olhou nos olhos. Me disse que meu rosto estava diferente, irradiava prazer... paixão! Percebi uma lágrima em seus olhos e chorei. A felicidade que eu sentia era proporcional aquelas lágrimas... adormecemos. Quando acordei, ele não estava do meu lado. Olhei o quarto e tentei me levantar..."É... agora sou realmente uma mulher...". "E vai ser minha sempre que quiser!" Olhei pro lado e vi o 'D', ele sorria e trazia uma bandeija com suco, frutas e um pedaço de bolo, sorri e, em tom de brincadeira, lhe perguntei "E se eu não quizer?" ele me olhou prufundamente e respondeu -"Já está pronta e vai fazer outro homem feliz se assim ele merecer!"...-"Mais não vou ser submissa."...-"Não precisa, já tem uma putinha dentro de vocâ. É só saber o momento certo de deixá-la aflorar... ela sabe o que fazer!!!"

Os Primeiros Toques

Nunca vou me esquecer daquele dia e, mesmo que quisesse, nunca iria fazê-lo.
O dia amanheceu calmamente e, eu como sempre, havia ido pra cama muito tarde por conta dos filmes eróticos que alugava com as amigas, escondida dos meus pais. Como dizia que queria gravar um filme ou algum documentário eles não se importavam em me deixar na sala até terminar. Sempre as sextas-feiras, pegava um filme, colocava os fones e, como dizem, ficava com um olho no padre e o outro na missa. Me deliciava com as cenas e em algumas até me assustava pois nunca havia tido algum contato sexual mais profundo além dos beijos e das mãos que tentavam mais e eu sempre rejeitava por puro medo. Nesse dia fui encontrar com as meninas pra dizer o que havia achado do filme pois, cada uma de nós, o assistiamos uma de cada vez... Tinhamos quase todas a mesma idade,entre 14 e 16 anos. Chegavamos sempre emplogadas e nos reuniamos na casa de quem os pais não estavam. Era uma farra..."-Nossa mas o loirinho tem um pau enorme!", dizia uma..."-Você viu como ela colocava o pau dele inteirinho na boca?", dizia a outra. E sempre nos perguntavamos quando seria a nossa tão sonhada primeira vez. A essa altura, o papo rolava a mil maravilhas que nem percebemos a chegada do irmão da nossa amiga mais nova, o Anderson. Ele era tudo de bom! Pernas grossas, ombros largos, olhos azuis e uma boca de matar qualquer uma de prazer, como pude comprovar depois. Nenhuma das outras meninas notava mais eu, tinha um verdadeiro facínio por ele e, sempre que eu podia, ajudava ele a preparar o nosso lanchinho. Com sua chegada tivemos que parar a conversa e nos dirigimos a sala para o famoso jogo da verdade que, naquele dia, teria um convidado especial, Anderson. Eu não sabia o que me esperava pois não tinha idéia do que ele havia planejado. Sem saber que ele já havia notado meus olhares a algum tempo, mesmo surpresa, topei sua participação inusitada. Sentamos frente a frente e logo fiquei nervosa ao perceber que ele estava sem cueca!! Ele, com aquele short de boca larga, me deixava admirar o que todas nós cobiçavamos a minutos atrás... um pau quase duro, "meia-bomba", que me deixou de olhos vidrados até que minha amiga do lado me deu uma catucada dizendo do tipo "Se liga!". Recomposta de momento começou o jogo. As perguntas simples e inocentes de ínicio deram lugar a testes picantes e cheios de malícia. Como a irmã do Anderson havia ido ao quarto, ficamos eu, Anderson e mais três meninas. Beijinho na boca de uma, uma passada de mão na bunda da outra até que a bendita garrafa apontou em minha direção. O Anderson me olhou de uma maneira tal que fiquei com medo do que poderia vir daquela cabeça. Dei um sorriso meio sem graça e ele fez a pergunta -"Desafio ou verdade?" Verdade!! Respodi de pronto e, qual não foi minha inibissão ao ouvir: "Você se masturba?" Fiquei sem graça, sem ação alguma e, como demorava pra responder, ele se levantou e disse: "Vamos, o jogo acabou e tenho que me arrumar. Outro dia continuamos." Ufa! pensei, salva pelo gongo! Mas o fim havia se dado apenas no jogo pois quando as meninas foram para o quarto, ele me segurou pela mão e disse:"Você não, você vai me ajudar a lavar os copos e pratos se não, não dá tempo pro que quero fazer." Saiu me arrastando até a cozinha e como o pedido tinha sido feito com sutileza, nenhuma das meninas desconfiou da real intenção dele. Na cozinha, me dirigi logo a pia e já ia começar a limpeza quando o Anderson me pegou pela cintura e, sem que eu pudesse dizer uma palavra, me deu o beijo mais gostoso do mundo. Jamais imaginei que ele pudesse fazer algo desse tipo pois sempre me tratou com muita educação. Sem entender o que havia acontecido me afastei. Naquele momento, olhando em seus olhos, percebi que aquele beijo era só o começo de algo bem maior(e bota maior nisso!) e melhor. Sem demora ele me puxou e caimos sentados numa das cadeiras que estavam ali..."Você é maluco?! A gente podia ter se machucado!" E, num movimento rápido de mãos, estava com a blusa aberta e meu seio esquerdo já estava inteiro em sua boca. O que eu sentia era uma mistura de medo e tesão. Medo por ser pega por uma das meninas e o tesão de estar sendo mamada por aquele homem maravilhoso! Derrepente, ele se levantou e disse:"Vou pro quarto e te espero lá. Não demora!" eu não entendi e, antes mesmo que eu pudesse protestar, ele havia saido da cozinha. Tentei pensar e a única reação que tive foi de ir atrás dele passando praticamente juntos pela mesma porta. "O que é você quer afinal? Como é que você faz aquilo comigo e me deixa plantada na cozinha sem entender nada? Vai me dizer ou não?" ele continuava em silêncio e, quando prestei atenção, seu quarto estava na penumbra e só eu e ele ali. Ele me olhando de um modo terno, quase paternal. Suas mãos vieram e trouxeram seu corpo em minha direção de um modo tal e qual que, ao me dar conta, estava em seus braços sentindo um perfume suave, tentador. O Anderson não era mais um garotinho, tinha 18 anos e estava servindo o exército. Queria seguir na carreira militar. Tinha o corpo bem feito, pernas grossas, tronco esculpido e ombros largos... Um olhar profundo como de quem consegue desvendar seus segredos e uma boca de fazer inveja a muitos atores globais. Era delicado no trato com mulheres e demonstrava uma experiência invejada pelo próprio pai! E assim, cuidadosamente, me manteve em seus braços num aconchegante abraço onde cada beijo me tirava o folego e me fazia não sentir as pernas... "Você não sabe a quanto tempo eu esperava por isso... ficar assim... com você nos braços..." Cada frase que dizia me invadia de uma maneira perturbadora. O medo me rondava. "D... eu nunca..." não deu tempo de terminar a frase, estava deitada naquela cama sendo beijada e mordiscada em cada pedacinho do corpo... A sensação era de mil bocas, mil mãos que estavam ali, me tocando, me provocando. Era inútil lutar pois, da mesma forma que pensava em sair dali, meu corpo queria mais e mais. Nos olhavamos nos olhos e o único som que se ouvia era o de nossa respiração cada vez mais profunda. Em cada peça de roupa que me era tirada, um arrepio subia pela espinha e mais forte e ofegante ficava a respiração... Com uma das mãos ele tocava meu seio e com a outra, me afagava os cabelos. Segurando minhas pernas, me fez enlaçá-lo e ficamos assim por algum tempo... Olhos nos olhos, seus dedos percorrendo meu rosto, pescoço, ombros e colo. Eu estava entorpecida pelos toques e pelo perfume que, sempre que o reconheço em alguém, meu coração acelera. Era assim que ele me dominava, calmamente, dando a devida atenção a cada centímetro de mim. Já estava quase gozando com seus toques quando ele me deitou e começou a beijar minha buceta. Beijava, como se estivesse beijando minha boca... Era a primeira vez que fazia sexo oral! Eu delirava, gemia e sussurrava palavras sem sentido e ele, continuava... sem pressa. Abriu meus lábios e mordeu meu grelo ao mesmo tempo que me tocava o cuzinho me deixando cada vez mail louca. Gozei como nunca havia gozado quando me masturbava. Sentia que o corpo todo tremia, me contorcia na ânsia de retardar o momento querendo que ele durasse eternamente. Nem bem acabei de gozar, ele me virou de bruços e começou a acariciar minha costas e lamber minha bunda. Uma sensação diferente tomou conta de mim e, descobri naquele dia como o sexo anal era MARAVILHOSAMENTE gostoso! A primeira vez, centímetro por centímetro... A dor e o prazer misturados me fizeram gozar uma, duas, três vezes seguidas. Era delicioso ouvir os gemidos dele, cada estocada era um prazer a mais, muito mais do que podia imaginar. Sentir o gozo quente dentro de mim, dando e recebendo prazer de um jeito que jamais pensei que poderia num êxtase profundo. E ficamos assim, ele deitado sobre mim com o pau enterrado na minha bunda, me beijando as costas e dizendo o quanto meu cuzinho era gostoso e eu, o sentindo latejante, pulsante. Devagar, ele foi saindo de dentro de mim, deitou ao meu lado e me beijou os olhos e a boca demoradamente. Fiquei admirando seu sorriso e seus olhos, estavamos quase adormecendo quando uma batida na porta nos trouxe a realidade. Uma das meninas o estava chamando perguntando se ele havia me visto, ainda com a voz rouca, ele repondeu que eu tinha ido até a padaria e que voltaria logo. Se ela acreditou eu não sei mas, quando sai do quarto, tive a distração como minha aliada. Depois desse dia, eu e o 'D' nos encontravamos sempre aos sábados quando seus pais não estavam. Quem não gostou muito dessa história foram as meninas pois, tive que mudar o dia de nossas reuniões. Cada sábado era um prazer diferente mas isso, eu conto depois...