domingo, 8 de novembro de 2009

Chuva...



Assim que chegamos começou a chover. O 'D' entrou com o carro e num piscar de olhos tudo estava escuro... A chuva de gotas que chicoteiam...

-Nossa... esse fim de ano está chovendo muito! Será que lá no sítio vai estar assim?
-Espero que não, minha linda. Mas seria muito bom ficar por lá com você!
-Seu bobo!(risos e um beijo)
-Vamos terminar de tirar as coisas do carro... quero terminar o que começei na tua casa!
-Terminar?!... Poxa... pensei que estivessemos só começando...

Falei com ares de sapeca segurando a barra do vestido...sacudindo o corpo, levei o dedo a boca.Ele sorriu e ficou me olhando... "-Para com isso... Quer que eu te pegue aqui, na frente da casa?"... Nossa, seus olhos mudaram! Ele deixou a caixa na varanda e veio lento em minha direção... senti o corpo queimar e quando vi, estava correndo para os fundos da casa... Aos fundos a casa do 'D' tinha um quintal grande com duas árvores, o canteiro de ervas e flores e uma espécie de alpendre num dos cantos do terreno. Era algo lindo de se ver e destoava da frente da casa pois parecia um pedacinho do sítio encravado ali no quintal. Corri dando voltas até ele me pegar... me abraçou a ali, debaixo de chuva ele me beijou... Um beijo sem fôlego, quente. A chuva nos molhava mas eu podia sentir o corpo queimar... Um tesão louco tomou conta e ali, debaixo de chuva, ele começou a se despir... o muro alto nos dava a segurança de não sermos observados. Ele vinha como um sonho... tirando a camisa, o cinto... eu dando passos calmos para trás. Quando ele parou para tirar um dos sapatos eu aproveitei. Coloquei as mãos por baixo do vestido e tirei a calçinha... ao rodopiar com ela no dedo, não contive o sorriso e o chamei... Ele me pegou com tamanha vontade que que senti um tremor me percorrer.. Tremor igual ao do gozo quando vem e que te faz fechar os olhos e relaxar todo o corpo... Seus dedos invadiram meus cabelos e sua boca me sugava e comprimia os lábios molhados... estava encharcada, vestido colado no corpo... ele me soltou e ficou me olhando... sob a chuva, eu sentia cada gota que batia forte na pele ... minha única proteção era o fino tecido do vestido que já revelava todo o corpo. Com um gesto de dedos apontava para as alças do vestido... Desci a alça esquerda... desci a alça direita e fui, lentamente deixando o vestido cair... Já tremia de frio quando fiquei completamente nua e joguei o vestido para ele. Ele veio até onde eu estava e me no colo... caminhou até o banco lateral ao alpendre e sentou-se a beira me penetrando enquanto me pousava em seu colo. Gemeu me abraçando forte... A sensação do corpo molhado de chuva com o calor que vinha do meio das pernas era delicioso. Sentir sua boca quente no meu pescoço e isso me fazia gemer deliciosamente... apoiei os pés sobre o banco e senti a água escorrer pela pelas costas e molhar o rego... cavalguei sentindo seus dedos tecendo o mesmo caminho do fio d'água até me penetrar...

-Huummm... como está quente!...( inconciêntemente acelerei... )
-Não... não, amor... fica assim. Assim... devagar. Isso... deixa eu te sentir mais...(mais?! ele estava inteiro dentro de mim e aquilo me deixafa com mais tesão)
-'D',... você sabe que...
-Assim... sente?...sente?!(ele provocava o pulsar dentro de mim...)
-Sinto...(disse rouca quase sem voz)

Ele se levantou, ainda comigo em seu colo...ainda dentro de mim, e me levou para debaixo do alpendre. Me deixou na beira do bando e iniciou um vai e vem lento onde tirava todo o pau de dentro de mim e recolocava... Eu estava tão arrepiada pelo tesão e pelo frio que ele dizia sentir cada pelo eriçado do meu corpo... Os mamilos se tornaram sensíveis a ponto de eu quase gozar quando ele lambia ou sugava... Delirante... o cheiro da chuva, o cheiro do 'D'... do sexo que se misturava me entorpecendo me deixando totalmente entregue a sensação de tê-lo daquela maneira... Suave e firme... O controle que ele tinha de si próprio ali não se comparava ao do dia em que me vendou e me banhou de mel... Era maior... De repente ele se afastou... me olhou e disse "- Toca!... Se toca pra mim..." molhei meus dedos e deslizei até meu grelo... estava tão quente, tão teso... coloquei dois dedos e começei a me masturbar pra ele... Senti o gozo vir e ele disse não!... "-Não goza... Mandei você se tocar... não gozar"...fechei os olhos e tirei a mão. Ele veio até o meu lado e disse baixinho no meu ouvido:

- Continua...não mandei você parar!
-'D'... me deixa gozar?...
-Não!
-Por favor... me deixa gozar...(senti que iria chorar)
-Não.
-Por favor 'D'...

Ele me segurou e me fez ficar de quatro no chão... Bateu forte na minha bunda e pergutou se eu queria gozar... eu disse que sim e novamente, deu uma palmada mais forte...

-Quer gozar?!
-Quero...
-Quer gozar minha puta,... quer?!
-Quero...por favor 'D'...
-Se toca... coloca seus dedos... quero ver(e fiz)

ele se colocou atrás de mim e me penetrou até encostar na minha bunda... meus dedos sentiam seu membro através da fina camada e em poucos movimentos eu gozei... O estrondo de um trovão veio junto com meu gozo... senti o corpo tremer e ele ficou parado sentindo meu cuzinho morder seu pau. Eu sentia minha vagina abraçando e encharcando os dedos ainda mais. e aquilo me fazia sentir os espasmos e estancar o corpo... ele ficou parado esperando meu corpo se acalmar e quando sentiu, começou o vai e vem... Ouvimos um novo estrondo e ao olhar por sobre o ombro e ver seu rosto senti que não aguentaria mais... foi quando ele me disse que não gozaria assim...

-Fica aqui... de joelhos(disse enquanto se masturbava)
-Junta e abre as mãos... assim...

ele se masturbou e quando estava perto de gozar disse VEM! Deixei minhas mãos espalmadas recebendo todo o gozo... ele gemeu gostoso quase gritando... senti seu gozo quente nas mãos e, no brilho dos seus olhos, percebi o que ele queria... me lambuzei com todo o seu leite... rosto, seio ventre... lambia os dedos e as mãos e passava novamente no rosto...

-Isso minha gatinha... lambe! se limpe direitinho...

Ainda com seu gosto em minha boca, recebi seu beijo me tirando o ar... Ele me levantou e me levou no colo até a chuva... Abraçada em seu colo, senti a lágrima do meu gozo se misturar e se perder... Naquele instante percebi o quanto eu o queria e como fomos loucos em nos amar ali!Senti o quanto ele me fazia bem e me deixava segura... E , tudo o que eu poderia fazer era obedecer e receber todo o carinho e paixão que ele mesmo disse, havia guardado pra mim...


quarta-feira, 4 de novembro de 2009

O sonho... (acontecimento aleatório)

No carro, o 'D' me conta que tem tido o mesmo sonho e ele se repete desde que viemos do sítio e não sabe o que significa... A mesma mulher, o mesmo lugar. Ele sabe que é ela mas o sonho era sempre do mesmo jeito. Ela numa praia olhando o mar e quando as sandálias que ela trazia caiam na areia ele despertava. Mas, naquela noite, o sonho o deixou mais exitado porque ele o conseguiu sonhar até o fim. Pedi que me contasse o sonho. Ele estacionou o carro e ficou olhando através do pára-brisas como reconstituindo... Vou contar, no meu jeito.


"... ela vem caminhando à beira-mar. Sandálias numa mão... noutra tira os fios que lhe cobrem os olhos... solta por completo os cabelos e senta-se à praia... É uma praia sem país, sem capital... Ela está ali a ouvir o mar, sente-o como trovão dentro do peito quando quebra e a extremece. É madrugada e logo vai amanhecer... "-Que cheiro bom tem o mar!" pensa sem se dar conta de quem a observa... Um olhar que foi ver o mar e a encontrou. O vestido de festa e fendas profundas faz a brisa envolver seu corpo lambendo-lhe as pernas e o arrepio é inevitável... Os olhos que a perceberam estão mais próximos e, agora , ela pode ver... Ele passa ao seu lado e num mesmo movimento eles se olham nos olhos... Ele segue e deixa o mar lhe tocar os pés. Ela observa e absorve o perfume de homem que paira no ar... Não precisa guardar... a brisa o leva até ela como um chamado que lhe aquece o peito e acelera o coração que fica no meio das pernas. Ele olha o mar e o horizonte como quem registra uma fotografia... Ele vê o mar, o amanhecer... É mágico, sedutor... Ele se vira e dá o primeiro passo... olhares se trocam... ele caminha em sua direção e ela, num gesto simples, deixa as sansálias cairem na areia quando ele lhe toca a tez e a faz fechar os olhos... O beijo, o toque... O corpo quente que a chama para si... O abraço da brisa agora tem braços, mãos...dedos que deslizam nuca, costas... fenda. O arrepio...o desejo... ali na areia ao som do mar... a luz da lua numa noite negra que faz o céu salpicado de estrelas... Ele se afasta, pega as sandálias e lhe segura a mão a guiando até as pedras... Lá, recostada na pedra, ela sente a espuma como champagne borbulhando em seus pés... Um beijo mais profundo e a facilidade de uma outra fenda lhe fazem sentir o poder das mãos que a tomam... Lua cheia. A maré embala os sons, sussurros... gemidos.Um gemido a faz afastar ainda mais as pernas... A boca sai dos lábios, segue e morde o queixo... lambe o pescoço, suga-lhe o seio... Mãos sobem pelas coxas e se embrenham entre pele e tecido e tocá-lhe a gruta molhada do seu mar... A boca já a sente e a faz bailar lento lhe trazendo na ponta e invadindo a alma.Alma!... Ele a faz sentir seu gosto e a sente por dentro... Quente, humida...macia. Um abraço apertado de pernas abertas e cheiros, e céu, e calor... A boca em seu pescoço, seu seio... o ritmo das ondas é o balançar do seu corpo... Singem estrelas e luas em seu pensamento... não há o que pensar... ela se deixa, sente o gozo vir como a espuma que faz a praia gozar... E ela grita ao mar que lhe abafa o grito... ele ainda está ali, ele ainda a quer. Ele a beija ainda mais, a envolve ainda mais e ela cede, desce sem pedidos... ela quer sentir o gosto do mar... Ela o tem... sente seu gosto mais uma vez a penetrar e preencher-lhe a boca... olhos cerrados. O calor invade os lábios e suas unhas ancoram fazendo-o gemer mais alto...O mar molha sua gruta e ela o sente latejar em sua língua... Logo o gosto do mar invade os lábios e alimenta o desejo... O mar explode no gozo intenso e a faz sentir o tremor dele em si... Boca cheia... Lua cheia. O beijo divide o sal do mar selando a madrugada que, em breve, adormece... E eles vão, caminhando à beira-mar... Sandálias numa mão... noutra, outra mão. Ele lhe afasta os fios que lhe cobrem os olhos e se afastam da praia..."

Quando ele terminou, pude ver a exitação nos seus olhos... Peguei sua mão e coloquei sobre meu peito. O coração acelerado o fez senti que esse sonho poderia se tornar ainda real...(quem sabe?!...rs)