sábado, 5 de dezembro de 2009

**continuação...A Chuva.

...fiquei perdida por alguns instantes quando cruzei com o seu olhar... senti muito mais carinho e desejo... senti meu corpo tremer, de frio...

-Vem... vamos entrar!
-Não sou de açucar(risos)!
-Eu sei (falou me levando para a casa) Mas você está muito quente mesmo debaixo dessa chuva!
-Hummm... estou quente,é?!(ele me olha e dá um sorriso arteiro)
-Menina,...!!(fala ele como se me repreendece por provocar)
-Diz?!...
-Vem... vou te dar um banho no chuveiro...

Ri gostosamente... e ele me olhou o sorriso como se fosse a primeira vez que o estivesse vendo. O 'D' sempre me deixa com a sensação de que a cada minuto pode acontecer um momento especial... Era assim que eu sentia... Era assim que eu vivia! Sempre que meu coração acelerava acontecia algo deliciosamente prazeroso. No banheiro ele abriu o chuveiro e pareceia que a água estava mais gelada que de costume mas não reclamei. Ele veio pra perto de mim e começou a me ensaboar... Adorava quando ele ou o Oscar faziam assim! Ele segurou meus cabelos e passou a mão na minha nuca espalhando a espuma do sabonete pelo pescoço e colo. Mais um pouco de espuma e com as duas mãos foi massageando os seios e dezlisando suave... Dei um passo a frente e segurei suas mãos fazendo com que ele me abraçasse. O seu corpo estava o mais próximo possível eu ainda me sentia 'faminta'... O beijei com vontade. Ele mudou a temperatura da água e se sentou no chão do box me ofereçendo seu colo... A água morna me relaxava e me acendia... Parei de tremer. Aos poucos, aquele banho foi nos revigorando... Shampoo nos cabelos... mais espuma... riamos feito crianças que brincam durante o banho... um abraço escorregadio era o bastante para rir... deitamos sentindo as gotas massagearem o corpo... alguns minutos abraçados, nos beijando, foi o bastante para que ele propuzesse irmos para o seu quarto... Lá, sempre havia algo que me remetia a nossa primeira vez... Sorri ao sentar na cadeira e ele me olhando perguntou se eu queria... Sorri afirmando com a cabeça. Estava com uma toalha envolvendo os cabelos e uma outra enrrolada no corpo. Ele fechou as cortinas enquanto acendia o abajour... Mesmo sendo o quarto de um jovem nele haviam incênsos e velas perfumadas... [Sempre que entro em algum lugar com esses aromas sinto o corpo reagir... Instintivamente, fecho os olhos e aspiro a sensualidade que paira no ar]... Enquanto ele preparava alguma coisa pediu que eu fechasse os olhos e ficasse assim até ele mandar abrir... fiquei secando os cabelos que, na época, eram tão compridos como agora... caiam cobrindo os seios e ele adorava isso... Senti quando ele soltou a toalha do meu corpo e me fez sentar na cadeira. A ponta dos fios cacheados caiam até um pouco mais abaixo que o mamilo já enrigecido e os escondia...

-Me dê suas mãos...(colocou algo e disse para não fechar)
-Vem... isso fica assim na beiradinha(fiquei sentada na beirada do assento. automáticamente , afastei as pernas)
-Hoje vou saber o quanto você se comporta...(sorri, gelei...)

Ele fez mais alguma coisa no quarto, abriu gavetas e deixou o silêncio imperar... Apenas o barulho da chuva e os trovões se faziam ouvir... Aos poucos, percebi sua respiração e senti o balanço do corpo com as batidas do coração... Ele pegou o que havia em minhas mãos... Um lenço grande parecido com uma encharpe... ele o colocou envolta da minha cabeça vendando meus olhos... ageitou meuis cabelos para que ficassem cobrindo os seios e me recostou fazendo com que eu ficasse quase deitada... senti suas mãos descendo pelo meu abdômen, cintura... coxas. quando chegou em minhas pernas, as suspendeu e as abriu... fiquei com os joelhos flexionados encostando nos seios..."-Fique assim!"... Silêncio... Em minha mente, imaginava ele de frente me olhando... se abaixando e sentando na beira da cama... Senti algo suave me percorrer o rosto e lábios me fazendo cocégas... ri e ele me repreendeu... Fez o mesmo movimento mas de alguma forma eu não senti cocègas... e sim um arrepio subir pela bochecha até a orelha... Ele fez um novo movimento... do meu pescoço até o colo... ia em direção aos seios e passava na dobra dos joelhos... deslizou entre minhas coxas rodeando a vagina e tocando minha fenda... suspirei e fechei as pernas num gesto involuntário... Ele as afastou e recomeçou... passou nas nádegas e foi subindo, lentamente... me arrepiando... desceu e mais uma vez, ao tocar meu grelo, fechei me contorcendo enquanto gemia...

-Será que vou ter que perder tempo te amarrando?!(disse isso enquanto estalava um tapa na minha bunda)
-Não... eu me comporto...(nem bem acabei de falar, tapou-me a boca com a calçinha) Quieta!

Senti sua mão em meu tornozelo... '-Ele vai me prender!'... e assim ele o fez... Meu corpo quase deitado na cadeira, joelhos dobrados...calcanhares no assento... sinto-o amarrando... Laça meus pulsos e os deixa presos no topo da cadeira..."-Pronto... agora você vai ficar quieta..." O senti se afastando... sempre me vinha sua imagem nesse momento... ele dando passos para trás, olhando... passando a mãos pelos lábios...peito... descendo e se toncando... Imaginava assim enquanto ouvia um gemido suspirado... Um toque suave seguido de seus dedos... mais um e novamente gemi ao sentir o toque no grelo... mais e mais... Rodeava,esfregava... subia e descia passeando por todo o meu sexo...

-Humm... cuzinho piscando é safada!? Sente? Tá sentindo?!... Isso... molhadinha... dá pra ver seu mel... (ele toca...desliza até o grelo)... Hummm durinho!... (massageia) Nossa... adoro ver ele pulsando... ela se contraíndo...(ele desce e introduz o dedo...) Toma... só um pouco.. isso,...geme gostoso, geme... (ele introduz...mais um...) Hummm não morde!... Assim... boa menina...(ele para e, por algum tempo me deixa respirando...)

Meu corpo pulsa inteiro... quer ter, sentir prazer... o prazer que nasce dele, que me alerta...me transforma... eu quero... e sinto... O sinto beijar minhas mãos, meu brsço... Ele vem beijando e mordendo...lambe e suga... cada vez mais! Ele acaricia a borda dos meus seios e passa de leve suas unhas em minhas axilas,ao longo das minhas costelas, quadril... pocisionou-se a frente da cadeira. Sua respiração, o calor da sua boca... iam tocando levemente meus pés... subiu e senti seu peito em minha bunda... gemi. Ele continuava... lento sem pressa. Lambeu minha perna até a dobra do joelho... lambeu meu umbigo e disse com voz quente, embargada de tesão:"-Vou te comer!"... O arrepio explodiu ao mesmo tempo que sua língua me penetrou... milímetros de uma barba a roçar no períneo e sua língua entrando e saindo e suas mãos me apertando... Me contorcia... queria gozar e ainda assim queria mais... E como bailava sua língua... Me fez perder a noção de tudo e ele sabia, sentia que eu estava prestes a gozar... Mordeu meu grelo me fazendo estalar a cadeira... parou me deixando assim... no precipício do gozo... Uma sensação impossível de descrever... O máximo que consigo é comparar a um segundo do gozo... Aquele último toque... o acelerar final... fiquei assim... chorando, gemendo... pedindo... e ele se afastou... Me debati protestando. Ele já havia feito isso mas não assim... e não nesse 'falta um segundo' ! Demorei pra me acalmar. Demorei pra entender que tudo aquilo era pra que eu pudesse ter controle... mas como se ele me fazia perdê-lo?! Ele sabe muito bem o ponto certo a ser tocado pra que eu desabe... Comecei a respirar mais lento... lá fora, o barulho da chuva que tomava novo fôlego e ele a me tocar... mãos nuas, cruas... Desfizeram o nó da venda e eu pude ver seus olhos lascívos cravados em mim... no que ele iria me fazer...

-Olha pra mim... tá vendo?!(ele mostrava os dedos) Molhou na minha xota... lambuzou do meu mel... desceu e foi penetrando meu cu, suavemente...lentamente fazendo com que eu rebolasse querendo mais... Eu olhava em seus olhos... implorava por ele, por seu pau e ele calmo me masturbando... me 'tarando'... Nesse ponto ele me avisa: "-Vou meter!... Tudo!"... Sem me segurar gemi... gruni. Fechei os olhos, trinquei os dentes na calçinha e junto com seu gemido... ganhava estocadas longas e profundas... a posição ajudava estava tão molhada que praticamente o engoli... não aguentei muito tempo. Mais três ou quatros enfiadas, gemi e gozei... Ele me olhava firme, fixo...eu estancando gozando e a chuva e os trovões abafando meu gozo e meus soluços.
Sem gozar, ele me desatou aos poucos... pasou as mãos alisando onde havia me amarrado e por último soltou meus pulsos... Da cadeira fui ao chão e ali fiquei sentindo o corpo tremer... Ele foi ao banheiro e quado voltou eu estava de pé. Sentou-se na cama e recostando na cabeçeira me chamou...

-Vem... deita aqui!(briu os braços e o sorriso) Deita no meu peito e descansa, só um pouquinho...
-'D'... acho que vou dormir...
-Vai?! poxa... vai ser uma pena...
-Porque?
-Daqui a 20min. o Oscar vai chegar... (!) vai ser uma pena se você estiver dormindo...